segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Porque os filmes baseiam-se nas nossas vidas


Quando a Carrie - no filme Sex and the city - decide contar ao Big que deu um beijo ao Aiden, achei aquilo um perfeito disparate.
E agora perguntam vocês: mas então não és tu que andas aqui no blogue há mais de um ano a defender que devemos contar sempre a verdade? Sou. Mas há "verdades" que não são para ser contadas, que não acrescentam nada, que não têm utilidade e que por dizê-las pagámos uma factura demasiado alta.
Há vários tipos de beijos: há os beijos vazios, os totalmente cheios e aqueles que só horas depois percebemos o que realmente foram. E quanto aos primeiros e mesmo em relação aos terceiros, meninas, tenho muitas dúvidas se devemos contar ou não. Para quê? Não vai mudar nada na nossa relação, vamos continuar a gostar, não abalou a "estrutura" do relacionamento, contar para quê? Por aquilo que vejo à minha volta, é o princípio do fim. Nenhum homem encara isso como um gesto de lealdade (contar), mas sim como traição. Nunca vai pensar que contámos pela verdade, nunca. E muito dificilmente a relação sairá fortalecida.
Quanto aos segundos (beijos), na minha opinião devemos contar claro, e assumir as consequências.

9 comentários:

Crente disse...

As discussões que tenho sobre isso. Sou da tua opinião. Contar apenas se a pessoa em causa tiver tremido com o beijo. Se foi insignificante, deixará de o ser após contar ao/à respectivo/a.

Maria. disse...

Concordo consigo em parte. Mas tenho que fazer esta questão: contar os segundos (os cheios) porquê? Para libertar parte da culpa? É que se foram beijos assim, cheios, verdadeiros, têm algo por detrás e esse algo nunca é bom sinal para a relação. Não percebo muito bem se esse contar serve para se ser sincero ou para se dividir parte de alguma culpa existente.

MissBlueEyes disse...

Não concordo!

Honestidade e lealdade acima de tudo! Eu conto tudo, e gosto que me contem tudo! E posso-te garantir, quando temos um Homem com H bem grande, e que sabe aquilo que vale, não vai abalar nada!

Rita disse...

Tenho a mesma opinião que tu.

Este Blogue precisa de um nome disse...

Pois Miss Blue Eyes mas cada vez há menos disso - Homens com H grande. E acredita que não perdoam. E deixas de ser leal por não contares? Contar o quê? Uma coisa sem importância. Uma coisa que amanhã já nem te lembras. Não vejo o interesse. Mas isso sou eu. Olha que sou 100% a favor da verdade :) acredita.

Este Blogue precisa de um nome disse...

Olá Maria :)

Porque os segundos deixaram marcas e é preciso avaliá-las. Se deixaram marcas vai haver consequências (digo eu). E esses sim interferem com a relação. :)

Beijo

MissBlueEyes disse...

Rita, quando descobri que o meu ex-marido me tinha traído, sempre lhe disse que não tinha sido o acto em si que me fez pedir o divórcio, mas sim o facto de Eu o ter confrontado e Ele ter negado! Mentiu-me a olhar nos olhos! E isso fez com que perdesse todo o respeito que tinha por Ele.

Continua a dizer que não é o facto da carne ter sido fraca que me faria separar de alguém, mas sim o facto de a passoa não ser leal!

Este Blogue precisa de um nome disse...

MissBlueEyes

Postas assim as coisas, contaria. Contaria sempre. A olhar nos olhos não consigo mentir. E o exemplo que aqui dei (não sei se viste o filme) nem de mentira se trata, trata-se de ocultar uma coisa. Se te cruzas com alguém na vida - tenha feito ou não parte do teu passado-, e acontece algo que não te faz sequer pensar, que não te abala para quê contar? A Carrie estava a milhares de Kms do marido, aquele beijo não teve consequências. Contar para quê? Só se for para acabar o casamento.

MissBlueEyes disse...

Eu digo sempre o que penso, independentemente do desfecho! Isso sou Eu, que não conseguiria viver com o sentimento de culpa!

Não vi o filme, mas mesmo assim, contaria, se não teve significado, e se tiver um homem com H grande, não iria abalar a relação.