sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Podia ter sido eu a escrever isto:

A vida é difícil
"De repente a vida torna-se difícil. Encruzilhadas atrás de encruzilhadas, dúvidas e hesitações em coisas que deviam ser tão simples como... viver.
Acordar cedo. Espreguiçar, que faz bem às costas, mas não muito que não há tempo e há uma panóplia de coisas para fazer ainda antes de sair de casa. Não esquecer o pequeno-almoço, que é a refeição mais importante do dia, mas também não demorar muito que não há tempo. Hesitar entre os cereais, que fazem o intestino funcionar mas parece que também têm carradas industriais de açúcar, e uma fatia de pão, com doce light, queijo sem lactose, ou manteiga que não é manteiga mas tem sabor a manteiga, que a gordura animal faz mal.
Durante o dia não chega trabalhar. É preciso aproveitar para fazer a lista do supermercado, já que não se deve ir ao supermercado sem lista. E ver as promoções de viagens e de roupa, para ver o que encaixa com as prendas de Natal ou outras que tenhamos que dar ao longo do ano. Beber café para manter os olhos abertos. Mas só um, porque faz bem ao coração, não mais porque faz mal ao sistema nervoso. Fazer todas as tarefas, e bem. Ir a todas as reuniões, estar atenta 100% do tempo, tirar notas e colocar questões pertinentes. No entretanto actualizar o Facebook, o twitter e, quem sabe, ainda escrever qualquer coisa no blog.
Ir para casa, apanhar com o trânsito e sorrir e ser feliz, porque é assim que devemos ser. Chegar a casa e fazer um jantarinho bom, de acordo com a ementa planeada para a semana, com o valor nutricional de cada alimento e com o que cada um comeu ao almoço. Deixar a casa inteiramente arrumada, fazer o almoço para o dia seguinte porque se poupa muito em não almoçar fora, fazer pão e um bolo para as crianças comerem ao pequeno-almoço (com pouco açúcar e sem gorduras polisaturadas). Brincar com os filhos, ver as notícias porque no dia seguinte há que estar a par das temáticas mais importantes, ter tempo para o marido, vontade para o sexo, ler um pouco (do livro técnico, do novo romance da moda, de um livro de auto-ajuda, da revista para sabermos que filmes, músicas, teatros e outros estão na moda), pesquisar umas formações, quem sabe uma pós-graduação, porque as coisas mudam tão rápido, falar ao telefone com a família, garantir que se desejou os parabéns a todos os amigos e conhecidos, fazer a to-do list do dia seguinte e adormecer. Não muito cedo, porque dormir mais de 8h faz mal, mas também não muito tarde para que se durmam as horas mínimas exigidas. Repetir, quantos dias hajam no ano. Como manda a lei, certinho direitinho. Se entretanto nos esquecermos de alguma coisa... Bom... Que não seja de viver.
".
 
Da E. no Tanto para contar

7 comentários:

QUIM disse...

Wauuuu...hoje também tive o meu momento Zen q postei no meu blog do Miguel Esteves Cardoso.
Por vezes lemos coisas que se envaixam perfeitamente nas nossas vidas.Bj

Roxanne disse...

a verdade é que todas fazemos mais ou menos isso! mas assim escrito até cansa de ler!

Teresa disse...

bom texto! olha, o marco tem umas bolachas sem açucar, D-E-L-I-C-I-O-S-A-S!!! sabores, tangerina, limão, avelã, mirtilo, etc. bj!

Este Blogue precisa de um nome disse...

Teresinha

Tenho que provar isso :)

Fruta da Época disse...

Parece um resumo dos meus dias!

E. disse...

Oh! Obrigada pela referência :)
A verdade é que cansa mesmo, e imagino se todas deixassem lá no blog mais coisas para acrescentar, porque fui-me lembrando de coisas como pintar as unhas, arranjar as sobrancelhas, etc... Tínhamos a noção do quanto exigimos/exigem de nós ;)

José disse...

Paranoid, android !!!