quarta-feira, 13 de julho de 2011

Eu sempre achei que a sociedade civil tem que se organizar. Eu sempre achei que o Estado não tem que dar resposta a tudo. Eu sempre achei que não devemos ter um Estado paternalista. Eu sempre achei que todos podemos fazer muito. Mas, o que se está a passar comigo agora, é o cúmulo. A minha filha que nos 9 anos que andou na escola - foi para a escola com 1- não deu um cêntimo de despesa ao dito Estado, a minha filha que nunca frequentou uma escola pública, nunca recebeu um subsídio que fosse, uma bolsa, um apoio, nada! O Estado nunca lhe deu um tostão para a formação, um tostão! (ok, a escolha foi minha! Foi. Foi e não voltava atrás). Mas, agora, quero que ela vá estudar para uma escola pública do agrupamento, onde estudou até ao final do mês passado e não tem vaga. Não tem vaga, pronto. Não tem vaga porque só tem lugar para os irmãos dos meninos que lá estudam, e pronto, caso arrumado! Ficaram 19 meninos de fora e os pais que se desenrasquem, que se desunhem! Não preenchi uma segunda opcção, porque não tenho uma segunda opcção, porque quero aquela escola e pronto. E se fizesse como eles e dizia: pronto, é esta que quero e acabou! Assim, como eles me disseram: a sua filha não tem vaga porque não tem cá irmãos mais velhos! Desculpem, não tem irmãos mais velhos? Mas, ela tem culpa de ser filha única? E se eu tivesse mais 3 filhos (mais novos do que ela), também nunca chegariam a andar naquela escola, já que a irmã mais velha nunca chegou a entrar. Mas que raio de critérios são estes?

Só que é aqui que entra aquilo a que eu chamo dever cívico: vou à luta e vou construir as condições para eles todos, entrarem. Mas, que acho o cúmulo ter andado 9 anos a pagar a Educação dela e a dos outros (com os impostos) e agora ainda ter que andar a resolver assuntos que compete ao Estado resolver, acho! Mas se tem que ser assim, que assim seja! Agora que não lhes passe pela cabeça que vou ficar de braços cruzados a olhar para esta pouca vergonha impávida e serena.

8 comentários:

Jo disse...

A sério? Numa escola pública? Não sabia que estas situações também aconteciam. Sei que há escolas privadas em que isto acontece, as vagas são preenchidas por irmãos de alunos ou filhos de ex-alunos, ou ainda filhos de funcionários (estes 3 casos têm prioridade), mas numa escola pública não conhecia tal situação... Bem... força, e fazes tu muito bem em não ficar de braços cruzados!

Manuela disse...

Olá Rita, compreendo a tua indignação e tens toda a razão. Pergunta na escola em questão, se a condição "ter irmãos mais velhos a frequentar a escola", consta do Regulamento Interno?

Cláudio disse...

Isso é o cumulo dos cúmulos não faz sentido nenhum...

Manteiga disse...

Uma escola pública tem, por lei, a obrigação de ter vagas para as pessoas que moram na zona. Ou, no máximo, indicar outra escola, igualmente perto, pública também.

eu sei disso porque me ia acontecendo a mesma coisa, mas no secundário.

Guinhas disse...

Uma escola pública??Que raio isso!!Não entendo esse requesito!!

MA disse...

Ora bem, os critérios existem e são publicos: ser deficiente, ter irmãos mais velhos a frequentar a escola, local de residencia... e penso que existem outros... mas os critérios são estes e estão definidos de forma publica em todas as escolas... e sim têm que haver critérios porque se não os houver as escolas ficam sobrecarregadas e temos turmas com alunos a mais e onde as crianças aprendem menos e isso faz com que a qualidade do ensino diminua. E segundo aquilo que aqui escreve imagino que a escola que escolheu para a sua filha não seja a da sua residencia... Há alternativas publicas e não podemos ser demasiado fixados naquela que pensamos ser a unica solução... 19 alunos a mais podem sempre juntar-se e ir para outra escola publica e torna-la melhor! Procurem alternativas... elas existem e se calhar vão surpreender-vos.

Boa sorte
MA

Este Blogue precisa de um nome disse...

MA
Olá :) pois... mas eu preencho TODOS os requisitos, inclusivé o da morada. O que não entendo é porque é que os meninos da pública tendo irmãos ou não, entraram todos. Coitados não podem ir para outras escolas e a minha filha porque vem do privado não entra porque não tem irmãos. Isso é que não cabe na cabeça de ninguém. Os da pública são de primeira e os do privado são de segunda? A forma justa seria por sorteio (digo eu!)... critérios, claro que tem que haver critérios, mas estes são absurdos. Mas, a verdade é que (parece-me) que finalmente os pais criaram as condições para que tudo corresse bem e isso é o que interessa :)

Beijo

_ba_ disse...

Bom para o ano também vou inscrever o meu numa escola pública. Naquela que eu e o Pai andámos porque é tipo tradição e fomos muito felizes. Não tem pré-primária portanto ainda fica mais este ano (2011/2012) no colégio onde anda desde os 2 anos e picos.
Já sei que vou ter chatices pois a morada tem como opções outras 2 escolas mas sabe que mais? Vou pôr o meu Pai a "mexer uns cordelinhos" e não me venham com essa história de não ter irmãos porque ele também é filho único.
Já não chega terem tirado o abono (eram 20 e poucos euros mensais mas iam para a conta dele e era dinheiro), andar a pagar o colégio estes anos e agora virem com isso ...a ver vamos porque viver por antecipação também não vale a pena :-)
(e pena tenho eu de não ter dinheiro para ele ir para o St Jullian's mas enfim ...)